Como escolher um bom sapato?

Há 10 anos uma das maiores preocupações que tenho é de escolher um sapato bonito mas que não me machuque. Antes tinha a péssima ideia de que sapato era para ser bonito, se fosse confortável era bônus. Erro meu…

E o acabamento? Quem olha pesponto? Quem liga para marca de cola? Solado torto, salto torto, cabedal desproporcional, alto demais, baixo demais?

A primeira coisa a se analisar é o modelo, óbvio! rs. Depois disso parta para o material.

Os sapatos em couro sintético (ou ecológicos) tem o toque diferente e não tente usar a técnica de cheirar o sapato para ver se é couro mesmo ou não! Tem essência disso também ;). É no toque mesmo e no caso de compras online é a confiança na informação do fornecedor.

Camurça é delicada, não pode ver água e pede limpeza com escovação apenas. Seu sapatinho lindo de camurça clara sujou? Borracha branca nele! Costuma resolver com a maior parte das manchas, mas fique ciente de que ele vai dar trabalho.

Agora, a parte anatômica do calçado. Nem todo pé é igual, alguns pegam no ossinho do calcanhar, outros levantam esporão, alguns pés são mais largos e por esse motivo nem todo sapato, por mais perfeito que seja, pode servir em todos os pés.

Salto de alturas diferentes são os vilões da coluna (como se o salto por si só já não fosse, rs) e já vi muitos modelos assim em lojas famosas, muito famosas, daquelas que saem em revista sabe? pois é…

O pesponto tem que ser certo, espaços corretos (essa costura é feita em máquina especial e em alguns casos ou modelos, feitos à mão por profissionais excelentes). Se o pesponto não tem espaço correto, o arremate não fica certinho pode significar um sapato “X” (baixa qualidade da produção que são vendidos para as lojas com preços inferiores mas você compra como sapato regular) ou puro desleixo da fábrica. O arremate do pesponto não tem que levantar fios, normalmente ele é queimado para dar acabamento.

 

Agora, um dos testes mais legais e simples de fazer: alinhe a parte traseira do sapato (do salto ao cabedal) e vá subindo da base até lá em cima. Esse é o teste para saber se o salto tem o mesmo tamanho e se o cabedal termina no mesmo lugar. Isso vale para sapatilhas e até os sapatos mais altos, masculinos ou femininos, infantis e até tênis. Tem que ter altura correta, essa indicação deixa claro de que o molde do sapato foi feito corretamente e mostra o capricho do montador e da fábrica com seu produto.

Bora testar os sapatos?

Créditos das imagens: Jorge Alex

Cookies do Natal

Cheiro de Natal, sabe?

20111229-174801.jpg
Neste ano passamos o Natal em Franca, com a família do meu marido. Fiz 3 receitas, uma seguindo mais ou menos a original do blog Barra Doce e outras duas com variações em castanhas do Pará e castanhas e avelãs.

Cookies

Ingredientes
- 2 1/4 de xícara de farinha de trigo
- 1 colher de chá de bicarbonato de sódio
- 1 colher de chá de sal
- 1 tablete de 200 gramas de manteiga sem sal
- 2/3 de xícara de chá de açúcar mascavo
- 1/3 de xícara se chá de açúcar refinado
- 1 colher de chá de essência de baunilha
- 2 ovos grandes
- 1 xícaras de gotas de chocolate (usei uma da Malavério própria para panetones) ou 1 xícara de castanhas moídas, nozes, avelãs…

Preparo
Bata a manteiga, a essência e o açúcar até formar um creme liso. Adicione os ovos, um a um e misture bem (eu misturo tudo à mão mesmo, mas se preferir use a batedeira). Misture o fermento e o bicarbonato com a farinha e adicione aos poucos. Ao final, junte o chocolate ou as castanhas.
Asse em forno 180 graus pré aquecido. O ideal é deixar no forno até que fique dourado.

Quando sai do forno ele é macio, fica crocante depois de alguns minutos quando esfriar. Eu costumo deixar esfriar em uma grelha mas pode deixar também sobre um guardanapo seco para não criar umidade.

A receita com gotas de chocolate rende 45 cookies enquanto as de castanhas renderam 40 unidades.

A foto deste post foi feita no almoço do dia 25, o porta biscoitos lindo é da minha cunhada que nos recebeu tão bem (mais uma vez, como sempre) em sua casa ;)

Ame ou odeie!

“Vermelho: Paixão, perigo, raiva, amor, sexo, poder(…)”
O Guia Completo da Cor – Editora Senac, pag. 21.

Imagens: Houzz

Na sala de estar, jantar, um cantinho especial… o vermelho rouba a cena! Detalhes, móveis e até mesmo nas paredes.

Eu amo… e muito!

Glossybox Premium – Novembro

Pois é…

Body Butter Goiaba – Korres: Meu primeiro pensamento foi: “putz, justo goiaba? odeio goiaba!” Mas não tem cheiro disso não. Me surpreendeu, tem cheiro de alguma boneca/perfume/brinquedo que eu tinha quando era pequena. Me lembrou infância… Além disso o creme tem uma textura ótima, absorve rápido na pele e deixa aveludada. Só não poderei usar mais porque marido e filho são alérgicos a perfumes em geral, e este sei que vai atacar.

Ultra Sheer Liquid Lotion FPS 55 – Neutrogena: Vou contar uma coisa, eu morro de medo de protetor solar Neutrogena, desde que usei em um dos raros dias de sol que tomei nos últimos 10 anos e tive insolação. Estava no Rio e minha amiga pediu que usássemos o protetor dela porque estava próximo do vencimento (3 meses, aproximadamente). Todos que usaram tiveram queimaduras, fiquei 2 semanas com a pele ardendo (sim, a Johnsons me deu todo o suporte e não culparia jamais a empresa de descaso comigo) mas sabe quando bate o medo?

Soapelle sabonete barra – Darrow: gosto muito dos produtos da Darrow, em especial o Actine que some com qualquer vestígio de acne das minhas costas em poucos dias. Esse não testei ainda, vamos ver se não vai repuxar a pele (a minha mudou, cansou da vida ensebada e agora decidiu que vai ser mista/seca).

Cleany – Theraskin: já conheço, já testei e já amei. Veja aqui. (acho que ainda não comentei, mas consegui migrar todo o conteúdo do Maketerapia aqui para o blog – viva pra mim! e para o marido que me ajudou com a migração, hehe)

Fleur D’osmanthus: Glossy querida, não me mande amostras de perfumes! Só uso 3 cheirinhos há anos e não penso em mudar tão cedo. Aliás, não gostei deste (novidade….)

 

 

Um cupcake para o hidratante e outro para a caixinha. Já que gosto tanto da caixinha, gostaria também de reclamar que o tom de rosa não está no mesmo tom da que veio no mês passado!

:P

Glossybox Beauty – Novembro

E chegou mais uma caixinha aqui.

Desta vez não foi tão generosa, a outra foi 1000x melhor! Mas ainda assim me agradaram alguns produtos.

 

Máscara de definição intensa de cílios SuperMagnify – Avon - Eu amo as máscaras da Avon! Da ultima vez comprei logo duas para estocar. Essa eu não conheço e gostei porque é à prova d’água. Quando a que estiver em uso acabar (não abro só para testar, sorry! Máscara tem que descartar em pouco tempo!) vou testar esta!

Esmaltes coleção A-DO-LE-TA – Amarelinha e Castelo de Areia – Hello Glossybox, tenho 30 anos! Eu lá tenho cara de quem curte esmalte amarelo??? Filha, esmalte pra você. O laranja eu curti, espalhafatoso mas bonito. Esse vou testar.

Head&Shoulders – Creme de tratamento anticaspa: Se meu marido não fosse tão chato eu faria ele usar! Vou ter que passar adiante, fora ele ninguém mais aqui sofre com esse problema (o dele melhorou 99% com o uso do Clear!)

Off Cosmetic: “Para mulheres que gostam de curtir a vida ao ar livre”. Ok, next. (e não gostei do cheiro!)

Minha avaliação final:

Só valeu a pena por causa da máscara. Li algumas reviews que comentavam ser ela a substituta da SuperShock (Amo!) que é a máscara que estou usando atualmente. O esmalte laranja é fofo, mas não compraria. Os demais produtos não tem nada a ver comigo.

Deixa que ela faz: Cupcakes da Camila!

Camila é minha filha, uma mocinha linda e prendada igual a mamãe! (modéstia mandou lembranças! rs). Olhem que fofos os cupcakes que ela fez para o lanche do colégio!

Essa receita é bem simples e fácil de fazer. Ela  já tinha preparado uma vez para um trabalho do colégio e foi o maior sucesso lá! (não sei vocês, mas na minha época não tinha nenhuma amiga de colégio que cozinhava!)

 

Easy-mix yellow cupcake batter

Ingredientes:

1 ovo grande
1 gema de ovo
1 xícara de açúcar
1/2 xícara de óleo
1/2 xícara de creme de leite
1 e 1/2 xícara de farinha de trigo.
1/2 colher de chá  de sal
1 colher de chá de essência de baunilha
1 colher de chá (rasa) de fermento em pó
Preparo:

Coloque a farinha, fermento e o sal em uma tigela e misture bem. Na batedeira (velocidade média), bata o ovo, a gema e o açúcar por dois minutos até que fique claro. Diminua a velocidade e adicione o óleo e a baunilha até ficar homogêneo. Coloque o creme de leite e bata até que seja totalmente incorporado. Desligue a batedeira e misture delicadamente a mistura de farinha, fermento e sal. A massa está pronta para assar, caso queira poderá acrescentar nozes, frutas, etc.

Asse em forno pré-aquecido à 200º por 25 minutos aproximadamente.

 

Vamos combinar, ela tem 13 anos e fez, essa receita não tem desculpa para não tentar!

E ninguém ajudou viu?

DIY de 5 minutos: Memory board

Fui garimpar a lojinha de R$ 1,99 (que não tem mais nada de R$ 1,99 né?) e encontrei este memory board infantil (abafa! eu olho todos os brinquedinhos em busca de inspirações!). Achei ele bacaninha, uma cara retrô e me lembrou na hora os meus brinquedos de infância.

A cor já foi fator predominante: eu AMO vermelho. Não que minha casa pareça um prostíbulo de quinta categoria, pelo amor!, mas eu curto detalhes em vermelho principalmente na sala e na cozinha (certa vez ouvi uma decoradora dizer que “uma sala sem vermelho é como uma mulher sem batom!” kkkkk, amei! definição perfeita – para o meu gosto).

Bom, vamos ao que interessa. Sempre sinto falta de anotar alguma coisa na cozinha e nem sempre tenho saco para anotar no celular. Sabe quando você vai bater um bolo e termina o fermento? Tem que comprar não é? Então, eu não anoto e esqueço! Posso até não levar a anotação comigo mas o simples fato de escrever algo que tenho que fazer me faz lembrar disso por dias!

Foi aí que juntei a necessidade antiga com o garimpo na lojinha e fiz meu memory board para a porta da geladeira.

(Sim, 5 minutos contados e fotografando! )

Partindo da primeira foto, sentido horário, superior esquerdo:

*O memory board que já vem com a canetinha para anotar e apagador na tampa. Vermelho porque eu gosto, mas vi outras cores também… Aliás, um azul klein super! rs

*Manta magnética: mais um dos materiais que comprei, usei uma folha e nada mais. Porém, sei que um dia invento moda e uso tudo o que tenho aqui, chegou o dia de usar mais uma folhinha! Essa é da Magnetomania, é uma folha tamanho A4 que já vem adesivada no verso. É excelente para grudar qualquer coisa que sua imaginação mandar! (estou louca para montar alguns enfeites para a geladeira com cartazes de filmes antigos!) Não custa caro, rende muito e vale a pena investir! Mais informações aqui.

*Na parte traseira do memory board, colei a manta magnética. Coloquei um pedaço pequeno também na tampa da caneta para poder apoiar na porta da geladeira.

E só isso! Nada mais, sem stress, sem sujeira!

Gastei mais tempo tentando sair da loja (um caminhão travou meu carro) do que para montar o memory board…

*ps. este NÃO é um publieditorial

Tudo branco!

Quem disse que branco é “uma” cor? Branco é a junção de todas as cores no espectro de luz, é a “cor” da luz.

A sensação de conforto que o branco traz é única! Ambientes com predominância do branco ampliam seus espaços e destacam móveis e objetos em outros tons sem muito esforço.


*Imagens: Houzz


O único problema é faxinar tudo isso né?

Mini Cupcakes – Massa básica de manteiga

Mais uma receitinha que estava perdida lá no Flickr!

 

Eu fiz algumas vezes essa massa e mudei um pouco a receita original. O motivo é que ela levava muita manteiga, muito açúcar e a massa ficava meio esfarelada. Desse jeito ela fica mais molhadinha e não quebra tanto.

Mini Cupcakes  - massa básica e cobertura de Nutella

1 xícara de açúcar
200 gr de manteiga sem sal (um tablete) – temperatura ambiente
3 ovos
2 xícaras de chá de farinha de trigo
1 xícara de chá de leite
1 colher de sobremesa de fermento em pó
1 colher de chá de bicarbonato de sódio

Preparo:
Pré-aqueça o forno a 180º (se o seu forno for mega potente, coloque uma colher de pau segurando a porta, tem que assar devagar).

Na batedeira, coloque a manteiga e o açúcar para bater até formar um creme fofo, branco e bem macio. Ele praticamente triplica de volume. Sem parar de bater coloque os ovos, um a um. Pare a batedeira e coloque a farinha de trigo mexendo com um fouet, integrando delicadamente para não pesar a massa. Com a farinha já misturada adicione o fermento e o bicarbonato, volte para a batedeira e bato mais um pouco. Deixo batendo enquanto organizo as forminhas de papel nas forminhas de cupcakes (ou forminhas de empadas). Se usar formas soltas coloque como base uma forma retangular para facilitar o manuseio.

O mini é feito com a forminha pequena de papel, uma que caiba na forma nº 2 da empada.

Observações:

O ideal é encher até 2/3 da forminha ou um pouco mais, mas por sua conta e risco: eles podem vazar. Com o tempo você acostuma com a quantidade e eles acabam ficando certinhos na forma.

Para a cobertura fiz um ganache de Nutella.  Uso uma lata de creme de leite (em lata fica melhor, é mais consistente) sem soro e coloco duas colheres de sopa cheias de Nutella. Rende muito! Fica um creme mole, se quiser usar o saco de confeitar tem que mudar as medidas, acho que uma colher de Nutella para 1/2 de creme de leite. Assim não fica nem duro demais (estourando o saco) nem mole ao ponto de não segurar o formato.

Dicas:

O forno quando está bem baixo faz com que eles assem bem devagar e assim mantém o seu tamanho depois de tirar. Os meus tiro assim que estão prontos, mesmo porque quando faço dá umas 3 assadeiras com forminhas (meu forno é pequeno).

Assim que tirar do forno, tire das forminhas de alumínio. Se esfriar lá ele vai suar e ficar melado embaixo. Coloque em cima de uma grelha ou pano de prato dobrado em 4, assim ele fica todo na mesma textura.

Assim que os bolinhos esfriam coloco em um marinex e cubro com filme plástico se não for decorar naquele momento. Desta forma eles ficam molhadinhos e não ressecam. Vai por mim, cupcake seco é um horror!

Essa massa é bem básica e aceita infinitas combinações de recheios e coberturas. Quem testar, me conta?

 

Update: o leite entra logo após os ovos, antes da farinha ok? Sorry, faltou no passo a passo…

Ambrosia

Esta é mais uma das receitas que estavam no Flickr e ainda não tinha colocado aqui. Engorda pouco, viu gente? kkk

*Adoro essa travessa! Ganhei tanta coisa luxuosa no meu casamento mas não deixo de gostar mesmo é de usar as travessinhas que vovó Maria me deu! Essa é linda… toda pintada à mão e com essa base em vime! Adoro! Mais country impossível!

Aqui em casa sempre fomos loucos por esse doce mas não sabia fazer. Peguei algumas receitas na internet e não ficavam do jeito que eu queria, até que achei em um livro antigo da União (presente da Vó Landa – livros relíquias de família!) a receita desta ambrosia só que com maracujá.

Adaptei a receita e achei que ficou muito boa!

Ela é cheia de segredinhos, tem hora pra mexer, hora pra deixar quieta, hora de apenas olhar e curtir o cheirinho de casa de vó… rs. Mas posso contar um pouquinho do que já tentei aqui.

Ambrosia

750ml de leite integral (o desnatado não funciona! é engordativa mesmo)
500gr de açúcar refinado (açúcar comum mesmo, de adoçar café)
6 ovos
5 gotinhas de baunilha
Suco de 1/4 de limão (pega o limão, corta no meio e espreme metade dele)

Preparo: Bata tudo no liquidificador e leve para cozinhar em fogo baixo.

IMPORTANTE: Acertando o ponto de cozimento

 

Siga a foto em sentido horário, partindo do topo superior:

1) Quando você bater, vai ver que vira um creme ralo. Coloca na panela e mexe até começar a talhar. Deixa quieto lá por algum tempo mexendo de vez em quando, vai subir uma espuma e quando ela começar a ficar assim é que está na hora de prestar atenção.

2) Aqui a calda já foi apurando e ficando mais baixa que o doce, mas ainda está rala e bem soltinha. Quanto mais ferver, mais o doce vai ficando pra cima e a calda baixando.

3) Está quase pronto. Nesse ponto, se fizer no teflon ou inox, é bom mexer bastante para não queimar. No tacho não tem problema, dá pra ficar mais tranquila porque ele não queima o doce tão fácil.

4) Ponto final: o doce fica em cima e a calda bem rala por baixo. Se cozinhar muito quando for gelar a calda vai ficar dura em ponto de bala e não fica bom. Não pode deixar secar muito, é um doce molhadinho com calda rala.

Sobre a panela:

Já fiz em panela de inox, teflon, frigideira de inox (sim, eu tento de tudo aqui!) e a melhor coisa foi o tacho de cobre. Não é muito fácil de achar nas grandes cidades, aproveite quando parar na estrada em alguma viagem para o interior e compre um se você curte um docinho com gosto de casa de vó. Vale a pena…

Esse ganhei da minha sogra e confesso, ficou muito melhor nele do que em qualquer outra panela.

As de inox grudam, quando o doce sobe fervura ela vai grudando em tudo e fica cheio de pontinhos queimados, dá até um gostinho legal no doce mas acho que deixa feio.

Para quem não tem o tacho, o inox é a melhor opção mas adianto: fica mais mole depois de gelado. A ambrosia é meio esfareladinha e o teflon deixa ela mais macia (mas não menos saborosa, é só textura mesmo).

Se fizer no tacho não pode deixar esfriar nele. O cobre oxida com facilidade por isso tem que tirar o doce de lá assim que terminar o cozimento. Nas outras também tiro para que o calor da panela não faça o doce passar do ponto.

Jamais esfregue bombril no tacho! Acaba com ele…

Esse doce rende bastante e é uma boa opção de presente para o natal. Já pensou que lindo oferecer as compotas para os convidados da ceia?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...